"Fugimos do abismo da vida, e fugimos da vida - embora tal seja uma autentica estupidez. Se fugimos da vida, caminhamos para o abismo; se fugimos do abismo, abraçamos o calor frio da vida. E talvez porque somos humanos, voltamos novamente a perder o comboio, e novamente, e novamente - e assim continuamos, e assim caímos, e assim caem connosco. Perdemos quem amamos, perdemos quem odiamos [ódio este que somente demonstra que tais pessoas fazem parte do nosso espelho de vida].
Perdemo-nos - oh, como o comboio já lá vai!" - J. A.

domingo, 15 de março de 2009

Já agora...III

Falta.

Esta noite eu preciso,
Oh meu Deus, preciso...
Preciso de saudar alguém,
De bater continência,
Preciso de correr,
E saltar,
Por cima da lua,
Por cima dos céus,
De cair no mar
E me afogar,
Mesmo para não me encontrar,
De idolatrar falsos deuses
E sonhar...
Oh, preciso, preciso, preciso...
Esta noite preciso de dizer um amo-te que não seja para a parede,
Preciso de alguém que responda
E preciso,
Oh, preciso,
Que não seja banal nem vazio,
Que tenha emoção,
Que destrone a razão...
Oh, amor sem sentido,
Onde andas nesta noite fria?

1 comentário:

Margarida Martins disse...

Isto é muito intenso, e muito bom para a pobre criança que vai dormir. para não variar, gostei muito !

Beijo!